É provável que o seu condomínio tenha um grupo de WhatsApp. 

Quando o aplicativo começou a se tornar popular no Brasil, há quase dez anos, ele prometia revolucionar a maneira como nos comunicamos. E nesse aspecto o WhatsApp com certeza teve êxito.

Hoje, todo mundo está acostumado a enviar uma mensagem pelo app e receber a resposta em menos de um minuto. Quando isso não acontece, já suspeitamos que algo está errado.
Será que o WhatsApp caiu de novo? E quando ele cai, o que você faz? Volta para o SMS?

É, o WhatsApp veio pra ficar. E criar um grupo de WhatsApp do condomínio pode ter sido uma ótima ideia no início.

Mas os síndicos que conhecem essa prática na realidade sabem qual é o resultado no longo prazo: 


O grupo só parece trazer dor de cabeça.

São comuns os casos de agressão, perseguição e difamação de condôminos contra síndicos. Isso porque o síndico já está exposto por conta da sua posição de gestor do condomínio.

Mas, no WhatsApp, parece que o pudor dos condôminos encrenqueiros desaparece e o síndico fica sujeito a todo tipo de ataque.

Recentemente a chamada  “Lei do Stalking” foi aprovada, estabelecendo no Código Penal o crime de perseguição e protegendo síndicos que são vítimas dessa prática em diferentes meios, inclusive no grupo de WhatsApp do condomínio.

A inclusão desse crime no Código Penal é um avanço para acabar com o sofrimento que alguns síndicos enfrentam. Mas ela pode não ser capaz de desfazer o estrago que muitas vezes é causado na reputação do síndico.


Um dano que pode acabar com as chances do síndico se reeleger e expandir na carreira.

Discussões políticas e esportivas que nada tem a ver com o condomínio, trocas de mensagens em tom passivo-agressivo entre os moradores, perseguição do síndico.

Fato é que no WhatsApp as pessoas estão mais expostas e existem casos de condôminos cometendo abusos, sendo agressivos com o síndico e fazendo reclamações que geram um mal-estar em toda a comunidade


Muitas vezes esses problemas vão parar na justiça.

Inúmeras ações envolvendo danos morais no WhatsApp já passaram pela justiça. Em um caso da grande São Paulo, os integrantes de uma chapa de oposição insinuaram a prática de crime pela gestão à época. Condenados em segunda instância, tiveram que pagar uma indenização.

O síndico recebeu R$ 15 mil por danos morais.

Em São Paulo, um outro caso terminou com o síndico recebendo uma indenização de R$ 5 mil após ser ofendido no grupo do condomínio.

O síndico foi chamado, entre outras coisas, de "crápula em pele de cordeiro" e "mentiroso".

No Distrito Federal, um síndico foi acusado de corrupção por uma condômina e recebeu R$ 2,5 mil de indenização. E outros casos incluem reclamação de barulho feito no grupo e ofensas entre vizinhos.


As perseguições contra o síndico também aparecem no WhatsApp.

Se tratando da relação entre síndico e condômino, a perseguição pode ser observada, por exemplo, quando o membro da comunidade se vê lesado pelo síndico de alguma forma e decide constrangê-lo repetidas vezes. Hoje, as vítimas de perseguição contam com a proteção da chamada Lei do Stalking, aprovada neste ano. Ela inclui o artigo 147-A no Código Penal, estabelecendo o crime de perseguição.

Todo o comportamento reiterado que, por qualquer meio, se caracteriza por ameaças à integridade física ou psicológica de alguém, invasão ou perturbação da liberdade e da privacidade de outro, são consideradas perseguições.

A pena varia de 6 meses a dois anos de prisão.

A tipificação do crime de perseguição no Código Penal é, certamente, um avanço que traz alívio para o sofrimento dos síndicos que são vítimas desse tipo de violência. Essa mudança na legislação pode ser capaz de diminuir a recorrência desse tipo de comportamento por agressores. Mas e como fica o dano causado por acusações falsas contra o síndico?

Difamação do síndico:

COMUNICAÇÃO NO CONDOMÍNIO

Por isso é tão importante que o síndico adote uma ferramenta segura de comunicação com os moradores. E muitos deles já optaram por outro aplicativo.

Descubra porque síndicos fizeram essa troca e qual aplicativo é esse a seguir:

Mesmo que o síndico prove que foi vítima de mentiras, a desconfiança que passa a pairar sobre ele e sua gestão pode ser capaz de inviabilizar uma reeleição e os planos de expansão da carreira.

O cuidado com a imagem deve ser uma prioridade para o síndico.

É preciso cortar o mal pela raíz, buscar uma outra ferramenta digital que permita a comunicação entre síndico e condomínio.

É hora de aposentar o WhatsApp na comunicação do condomínio.

Isso não significa que o grupo do WhatsApp deva ser abolido por completo. De fato, esse aplicativo veio para ficar e ele apresenta inúmeros recursos que beneficiam todo mundo. A solução é o síndico levar a comunicação do condomínio para um espaço mais adequado.

Não há nada que impeça que os moradores formem um grupo de WhatsApp. O que recomendamos aqui é que esse grupo não leve o nome do condomínio, deixando claro que não se trata de um espaço de comunicação oficial da comunidade.

 
O síndico não deve participar desse grupo, uma vez que isso pode legitimar aquele ambiente como uma espécie de mural oficial do condomínio.

O WhatsApp mostra na prática que não é o espaço ideal para a comunicação oficial do síndico com o condomínio.

Para o Guilherme Ricardo, síndico morador no Rio de Janeiro, é difícil imaginar que os moradores vão se comportar de maneira moderada em discussões virtuais quando isso já não acontece na conversa olho no olho.

Ele resolveu o problema adotando o aplicativo TownSq para a comunicação do condomínio. 


Mais de 14 mil condomínios no mundo já usam o TownSq. A ferramenta digital permite conversas privadas entre o síndico e os moradores. E quando o síndico precisa avisar toda a comunidade, ele emite uma circular digital. Moradores recebem a circular e o síndico sabe quem visualizou. 

O WhatsApp tem seus benefícios, mas pode se transformar em uma máquina de ruído. Sabe o que isso significa? Muito barulho e pouca informação de qualidade.

Você vai concordar que é difícil exigir determinada postura dos condôminos no WhatsApp quando esse é um espaço de comunicação informal com familiares, amigos, etc.
O que o aplicativo para condomínios oferece é, justamente, um espaço adequado para a comunicação do síndico.

Para diminuir conflitos, é preciso também oferecer transparência e engajar os moradores. A Tânia e o Helder já encontraram isso no TownSq:

Conheça o TownSq AGORA!

"O WhatsApp até funciona, mas não é o ideal. Se pessoalmente, olhando um no olho do outro, [as pessoas] não conseguem se portar em conflitos, imagina no grupo de mensagens. Elas enviam o que bem entendem. Portanto, uma ferramenta que limita essas gafes é primordial pro condomínio"

Guilherme Ricardo, Síndico

"O aplicativo funciona muito bem na comunicação do dia a dia do condomínio. Além, é claro, de manter o histórico e o armazenamento de documentos, trazendo transparência e informação a todos os moradores."

Tania Dorneles, Conselheira 

"Os moradores são bem engajados e utilizo muito o app para comunicação."

Helder Lacerda, Síndico Profissional

Os síndicos podem chegar até o TownSq a procura de um complemento do WhatsApp para a comunicação do condomínio. Mas eles fecham negócio porque o aplicativo torna o trabalho deles mais ágil e mais inteligente:

→ Autonomia para os moradores. Eles reservam as áreas comuns pelo aplicativo, sem precisar do síndico ou de funcionário do condomínio.

→ Tudo digitalizado. Documentos do condomínio disponíveis de maneira digital.

→ Controle de entregas. O morador recebe uma notificação no celular na chegada da sua encomenda. E a retirada feita na portaria fica registrada.

→ A quantidade de pedidos que o síndico recebe pode diminuir. Os moradores encontram no app as informações mais importantes do condomínio e podem atribuir ocorrências diretamente para o funcionário do condomínio. O síndico apenas monitora a realização do serviço.

→ Os moradores ficam informados sobre tudo o que precisam saber a respeito do condomínio. 

Processo judicial não é a solução para o estrago causado. É preciso cortar o mal pela raiz.

São inúmeros os problemas que podem surgir no grupo de WhatsApp do condomínio

A imagem do síndico pode ficar manchada para sempre

Síndicos estão adotando esse aplicativo para a comunicação do condomínio

Síndicos já entenderam que oferecer uma grande quantidade de informações para o condomínio não significa uma boa comunicação

Os benefícios dessa troca ficam claros quando comparamos a comunicação do síndico no WhatsApp e no TownSq:

→ No WhatsApp, os avisos do síndico publicados no grupo se perdem em meio a outras mensagens e discussões.
→ No TownSq, todos os moradores são notificados quando o síndico manda uma circular.

→ No WhatsApp, os problemas identificados pelos moradores são trazidos para a discussão em grupo e podem gerar mal-estar. Dão a impressão de que a gestão do síndico é completamente falha.
→ No TownSq, todas as ocorrências dos moradores ficam registradas de maneira privada e somente o síndico e sua equipe tem acesso. Os moradores vão sendo atualizados sobre o andamento da demanda. 

→ No WhatsApp, o síndico pode encontrar um empecilho caso queira tomar uma decisão com a ajuda dos condôminos.
→ No TownSq, o síndico promove enquetes sem gerar polêmicas ou discussões. Os votos são secretos, ou seja, um morador não sabe no que o outro morador votou. 

→ No WhatsApp, as conversas pessoais e profissionais do síndico ficam todas misturadas.
→ No TownSq, o síndico tem um espaço reservado somente para assuntos profissionais. 

Quero conhecer o aplicativo para condomínios